FacebookPinterestTwitter
12. Maio 2020

O WONDER ROOM DA ZOURI

-  ModaLisboa,  Sustentabilidade,  Wonder Room

O WONDER ROOM DA ZOURI

Uma marca de calçado eco-vegan que usa plástico recolhido da costa portuguesa e o cose a materiais sustentáveis — borracha natural e algodão orgânico, bem como tecido feito a partir de folhas de ananás. Já reuniu um grupo de 600 voluntários para recolher plástico das nossas praias — uma tonelada de plástico, atenção — e, na sua fábrica de Guimarães, cria os ténis que já estão no Wonder Room há três edições. A ZOURI chegou para provar que podemos construir um mundo melhor, e não podia fazer mais sentido estar na nossa sala das maravilhas. Falámos com Adriana Mano para mostrar-vos o porquê. 

A ZOURI esteve no Wonder Room das três últimas edições da ModaLisboa. O que vos leva a querer marcar presença?
A ModaLisboa é o evento mais importante no panorama da moda em Portugal, e para a ZOURI é sempre um privilégio estar presente, especialmente sendo nós uma marca de calçado.

Na vossa perspetiva, qual é a importância do Wonder Room no crescimento e divulgação de marcas nacionais?
O Wonder Room é a janela perfeita para a mostra de novos talentos e marcas cujo âmago é a sustentabilidade e produção ética. Estar presente cria a oportunidade de divulgar o contínuo progresso na busca de novos materiais e técnicas que podem mudar e diversificar o rumo de como se faz Moda em Portugal. 

E qual foi a importância do Wonder Room no crescimento da ZOURI?
Sem dúvida que estar presente no Wonder Room veio trazer visibilidade e notoriedade à marca. 

Falar em Moda é também falar em emoção. O que é que o Wonder Room vos faz sentir, e como é que é diferente de outras pop-up stores?
Estarmos presentes na seleção de novos criadores do Wonder Room é maravilhoso. Toda a atmosfera transpira inovação, reinvenção, busca de novos materiais e técnicas e esta é a definição de Moda na nossa perspetiva. Fazer com que a sustentabilidade seja a nova tendência será uma mudança crucial para os tempos que enfrentamos e é um grande orgulho podermos contribuir para esta revolução.

Sentem que o público do Wonder Room é diferente do público de outras pop-up stores? 
Nunca poderemos dissociar o Wonder Room da ModaLisboa, pelo que a atmosfera é completamente distinta de outras pop-up stores. As pessoas com quem nos cruzamos estão à procura de novas tendências e, por sua vez, de se redescobrirem e inovarem a forma como se apresentam ao mundo. Podermos aliar a sustentabilidade, novos materiais e a produção ética a esta procura, é levar a marca a outros públicos e aproximá-los do que é a nossa missão.

Um dos pilares do Wonder Room é a promoção de projetos sustentáveis. Como é que a ZOURI encara a sustentabilidade, e como é que a integra nas diversas fases do processo?
A ZOURI é uma marca de calçado Eco-Vegan, centrada na sustentabilidade, produção ética e no comércio justo. Como tal, uma intensa pesquisa foi e continua a ser feita para selecionarmos os melhores materiais sustentáveis, naturais e éticos. Todo o processo, desde a recolha de plástico, transformação e incorporação na sola, concepção e produção do calçado ZOURI, embalagem e expedição foi e é estudado para sermos sempre mais sustentáveis.  

Qual é a importância de produzir em Portugal?
Em primeiro lugar, somos uma marca portuguesa, pelo que faz todo o sentido que a nossa produção seja feita 100% em Portugal. Para além de possuirmos uma das mãos-de-obra mais qualificadas do mundo na área do calçado, um dos nossos pilares é a economia circular. Aliado a este conceito e produzindo em Portugal, conseguimos também reduzir a pegada ecológica. 

A parceria é uma grande parte da ZOURI. Qual é a importância de encontrar os parceiros certos para o crescimento de uma marca, e qual foi o processo da ZOURI nesse caminho?
Uma etapa preponderante do processo, e uma vez que reutilizamos lixo plástico do oceano nas nossas solas, foi estabelecer os protocolos necessários com parceiros como autarquias locais, escolas e ONGs para nos ajudarem nas recolhas de praia no Norte do país. Para além disso, rodearmo-nos de parceiros de produção que partilhassem dos nossos princípios e missão foi absolutamente crucial. Acreditamos na transparência e não estaríamos a ser fiéis à marca se todos os que fazem parte da ZOURI não acreditassem e não estivessem empenhados no mesmo objetivo. Este será sempre o nosso caminho. 

Como descreveriam o crescimento das marcas sustentáveis em Portugal?
Acreditamos que o consumidor português está cada vez mais sensibilizado para as questões ambientais, e tem alterado progressivamente os seus padrões de consumo, na procura de produtos que garantam a qualidade e simultaneamente a produção ética e sustentável. Desta forma, faz todo o sentido que novas marcas surjam, e as que já existem comecem a repensar os seus produtos e processos produtivos para acompanhar esta tendência crescente e positiva.

E que futuro gostariam que este mercado tivesse?
Agora, mais do que nunca, temos de repensar a forma como consumimos e produzimos. Quanto mais depressa este futuro se transformar em presente, mais rapidamente sentiremos os benefícios desta mudança fundamental. Nesse sentido, o apoio e incentivo do Estado à sustentabilidade poderia sem dúvida acelerar o processo. 

Como pode a ModaLisboa fazer parte desse futuro?
A ModaLisboa, como trendsetter, pode ter um papel preponderante neste futuro, e já começou com a criação do Wonder Room. Poderá potenciá-lo ainda mais, se o transportar para as passerelles, dando-lhe ainda mais visibilidade. 

O que é que consideram mais inspirador e entusiasmante na Moda portuguesa de hoje?
A recuperação dos ícones identitários da cultura e tradição industrial portuguesa, aliado a novos materiais e processos produtivos. É verdadeiramente inspirador vermos também a indústria querer aliar-se à Moda e ambos partilharem o mesmo objetivo no caminho da sustentabilidade. 

A ModaLisboa sempre foi um think tank para projetos diferentes, e quer interligar pessoas de diferentes backgrounds. Na vossa opinião, quais são, atualmente, os projetos e pessoas mais criativos em Portugal que deveríamos todos estar a seguir?
Na nossa visão, indicamos alguns dos projects que mais admiramos e seguimos com atenção: Vintage for a Cause, Vanessa Barragão, Toino Abel e Benedita Formosinho.

Esta entrevista à ZOURI faz parte de uma série de conversas que debatem o impacto das últimas quatro edições da ModaLisboa | Lisboa Fashion Week. Só pensando o nosso percurso sabemos onde estamos hoje. Só sabendo onde estamos hoje poderemos construir o nosso amanhã.