FacebookPinterestTwitter
28. Fevereiro 2022

#CHANGEMAKERS: KINDA HOME

-  ModaLisboa Metaphysical

#CHANGEMAKERS: KINDA HOME

John Leitão, CEO da Kinda Home, fala com a ModaLisboa sobre Criatividade, Tempo e Talento Nacional.

As marcas que apoiam a MODALISBOA METAPHYSICAL são, na sua essência, poderosos motores de mudança. #CHANGEMAKERS são breves entrevistas que dão voz a quem trabalha diariamente para a construção de um futuro sólido, transparente, inclusivo e sustentável.

A Kinda Home será também a nossa casa: na MODALISBOA METAPHYSICAL, é a marca responsável pela decoração do Anfiteatro das FAST TALKS e ainda da Sala de Imprensa.

Esta é a primeira Lisboa Fashion Week de 2022 e, juntos, queremos começar o ano em mudança. Quais são os valores basilares que vos guiam hoje?
Temos uma cultura de atenção ao cliente bastante vincada. Somos muito rigorosos com a qualidade dos nossos serviços, controlando internamente todos os detalhes do processo para que possamos garantir tranquilidade e confiança. Fazer uma compra deve ser um prazer e a decoração é um processo, não uma ciência. Os estilos, as cores e as épocas misturam-se, e nós valorizamos muito a criatividade e a individualidade.

A criatividade está na raiz de tudo o que fazemos. O que é que falta criar?
Falta desenvolver maneiras muitíssimo eficientes para diminuir a nossa pegada. Em termos de criatividade o grande fascínio para quem assiste é o da surpresa e, nesse campo, as possibilidades são infinitas, tal como a genialidade humana. Tudo já foi criado tal como tudo ainda está por criar.

Caminhamos numa direção em que o consumidor se move menos pelo produto e mais pelo propósito. Que passos estão a dar nessa direção?
Há uma causa global que nos une e as pessoas exigem sentir proximidade com aquilo que consomem, no sentido de conhecerem a sua “história”. Essa proximidade, consegue-se pela identificação de valores que partilhamos e que exigimos ver correspondidos. Trabalhamos apenas com parceiros de confiança, que respeitam todas as normas internacionais, e lutam, tal como nós, todos os dias para reduzir o impacto ambiental. Como exemplo, o caso de um dos nossos fornecedores de tapetes que recentemente finalizou o processo de alimentar a sua fábrica exclusivamente a energia solar.
Temos equipa no terreno, que visita regularmente toda a rede de fornecedores para garantir a qualidade dos nossos produtos bem como o alinhamento com os nossos critérios de qualidade, responsabilidade social e ambiental. É um trabalho diário que fazemos selecionando as melhores fontes de acordo com os nossos princípios.

O que é que continua a inspirar-vos, todos os dias?
Vivemos inspirados pelo prazer da procura e da descoberta. Visitamos fábricas e artesãos por Portugal e pelo mundo para encontrar o original, o belo e o intemporal. Viajamos imenso e vemos tanto, mas isso só nos aproxima e aumenta o nosso orgulho pela produção Nacional. O que se faz bem em Portugal, faz-se extraordinariamente bem, de modo que estamos bastante empenhados em promover produtos portugueses.

Qual acham ser o papel das marcas na construção de um futuro mais humano, transparente, ético e inclusivo?
É decisivo fazer uma seleção consciente de fornecedores e materiais. A mudança está nas mãos de quem consome e as marcas são uma parte fundamental na cadeia de responsabilidades. Há um lado pragmático que tem de ser acautelado e os consumidores precisam de ter opções válidas, que respondem às suas preocupações. Havendo opções, haverá mais sentido de responsabilidade. É um caminho que se faz acompanhado.

A construção de comunidade é um dos maiores poderes — e responsabilidades — de uma marca. Como descreveriam a vossa comunidade?
É uma comunidade de pessoas com personalidade, com acesso a cultura e muita informação, de maneira que buscam qualidade e originalidade em detrimento de quantidade. Há um sentido de tempo na Kinda e esse sentido é fulcral para as tomadas de decisão, sejam elas no sentido de responsabilidade social e de sustentabilidade ou de “construção” de uma casa.

E já que a Lisboa Fashion Week faz parte dessa mesma comunidade: se só tivessem três palavras para descrever a vossa relação com a Moda Lisboa, quais seriam?
Vibrante, criativa e desafiante.