FacebookPinterestTwitter
26. July 2022

CONSTANÇA ENTRUDO CELEBRA PARCERIA COM INSTITUTO BORDADO MADEIRA

-  Moda Portuguesa,  ModaLisboa Comunidade

CONSTANÇA ENTRUDO CELEBRA PARCERIA COM INSTITUTO BORDADO MADEIRA

A coleção outono/inverno 2021/22 da Designer regressa a casa e é celebrada na Madeira, já esta quarta feira.

The World We Live In: Part II, apresentada na ModaLisboa COMUNIDADE e na Paris Fashion Week em formato exclusivamente digital, foi um mergulho no contraste entre noite e dia, manipulação têxtil e exploração digital. A natureza, mergulho constante em todas as peças, ampliou-se dos estampados para a incorporação interpretativa da tradição, em colaboração com o Instituto do Bordado Madeira.

A pandemia forçou uma existência quase puramente digital de The World We Live In: Part II, privando-a da comunhão do toque. Quarta feira, 27 de julho, a coleção atinge o seu propósito colaborativo na Madeira, num evento que unirá todas as bordadeiras envolvidas na confeção da coleção, a Designer e a comunidade madeirense que vê no Bordado Madeira um espelho das suas estórias.

Transcendendo a convencionalidade de uma apresentação, Constança Entrudo reinventou a clássica mesa madeirense: não dispensando a decoração de Bordado Madeira, pensou o menu de gastronomia regional — habitado apenas por produtos locais — com o Chefe Augusto Chai-Chai e a Chefe de Pastelaria Susana Freitas, tendo o Vinho Madeira como fio condutor de todos os pratos.

O evento, aberto ao público, terá início às 19H, nos jardins da Quinta Magnólia, no Funchal, onde não só circularão as peças de The World We Live In: Part II, como será mostrada a curta metragem de Igor Pjörrt, O Silêncio de Rosário. Com direção criativa de Constança Entrudo, o filme é uma viagem por um dia de Rosário (interpretada por Patrícia Perneta), uma Bordadeira Madeirense em rota e rotina de silêncio: bordar, arrumar a casa, bordar, preparar comida, observar o tempo bebendo café, navegar a paisagem com os olhos, bordar de novo. Rosário borda umas calças de Bordado Madeira, a peça mais complexa da coleção de Entrudo, e nas suas mãos ouvimos ausência de som enquanto grito de protesto, uma repetição infinita que vemos enquanto ferramenta de discurso em prol destas mulheres, desta arte, demasiado calada e demasiado esquecida.

Através de uma coleção que descontextualiza o Bordado dos seus traços mais tradicionais e o interpreta na contemporaneidade, dando-lhes novos territórios e imprimindo-lhe uma identidade indelével, Constança Entrudo convida a comunidade madeirense a viajar por um mundo que partilha o mesmo mar.

FOTO: Gonçalo Silva